Trajetória recente da gestão da Polícia Civil do Estado de Minas Gerais à luz do "Choque de Gestão"

Data da publicação

2014

Coordenador(es)

Colaborador(es)

Organizador(es)

Evento

Entrevistador(a)

Entrevistado(a)

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Resumo
Esta monografia procurou comparar ao fenômeno da reforma administrativa ocorrida no estado de Minas Gerais conhecida como Choque de Gestão às mudanças institucionais que a Polícia Civil do Estado de Minas Gerais buscava atingir para que não fosse um órgão à parte dentro da estrutura do governo. A reforma no estado era precipuamente de cunho gerencialista, voltada ao alcance de metas e resultados, mas em sua última etapa tentou se revestir de um caráter mais societal com o objetivo de fazer a aproximação entre governo e sociedade. Devido às características que baseiam as diretrizes governamentais, o cidadão apesar de nas propagandas ser mostrado como o ator principal da existência do governo, a Administração Pública mineira ainda se mostra auto referida e insulada. É possível perceber que convivem na mesma Administração o modelo burocrático, o modelo gerencial e traços leves do modelo societal, cada um sendo empregado conforme a conveniência e a facilidade encontrada pelo corpo técnico que integra a estrutura de gestão de Minas Gerais. A Polícia Civil é um órgão que compõe o sistema de Defesa Social do estado de Minas Gerais encarregado de exercer o papel de polícia judiciária e investigativa, além de também atuar nos processos de identificação de pessoas e de veículos. A instituição apresenta carências éticas e morais devido à forte presença de características personalistas, clientelistas, patrimonialistas e traços de corporativismo em relação ao público externo. Tais características remontam às raízes históricas sobre as quais a Polícia foi construída no país. Marca forte no imaginário das pessoas ao tratar da Polícia Civil, a corrupção sistêmica traduz a malandragem brasileira de conseguir um “jeitinho” para consertar ou conseguir o que se almeja.

Abstract
This monograph compares the institutional changes that the Civil Police of the state of Minas Gerais sought to achieve with the administrative reform in the state of Minas Gerais, known as “choque de gestão”. The administrative reform of the public administration was, primarily, a managerial one, aimed to elect and achieve goals and results, but on its last version, with a more social design, focusing the goal of making the approach between government and society. Despite these goals, public administration in Minas Gerais is, still, self-reported and insulated, coexisting traditional bureaucratic management with faint traces of a more societal model, each being used for convenience and ease, by staff that integrates the management structure of Minas Gerais. The Civil Police is an organization that is part of the Social Defense Secretariat of Minas Gerais, in charge of performing the role of judicial and investigative police, also operating in the identification of people and vehicles. The institution presents ethical and moral deficiencies due to the strong presence of personalistic, clientelistic, and patrimonialist traces. Such features dating back to the historical roots upon which the police was developed in Brazil.

Descritores

Palavras-chave

Citação

VICTORIA, Marianna Reis. Trajetória recente da gestão da Polícia Civil do Estado de Minas Gerais à luz do "Choque de Gestão". 74 f. Monografia (Graduação em Administração Pública) – Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, 2014

Relacionado com

Contido em

Licença

Coleções