Alemanha: o modelo de capitalismo social e os desafios no limiar do século XXI

Data da publicação

2014

Orientador(es)

Coordenador(es)

Colaborador(es)

Organizador(es)

Evento

Entrevistador(a)

Entrevistado(a)

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Resumo
A Alemanha consolidou ao longo do século XX um modelo de capitalismo diferente, marcado por uma estrutura de governança corporativa baseada nos stakeholders, pela presença de relações de trabalho participativas, com grande papel conferido aos trabalhadores, e pela existência de uma fonte de capital paciente, resultado das relações desenvolvidas entre bancos e empresas. Essas características ajudam a explicar, entre outros fatores, as fontes de vantagem comparativa, o padrão de inovação e as baixas diferenças salariais. No entanto, esse modelo passou a sofrer pressões com as mudanças verificadas no capitalismo a partir da década de 1970. O artigo avalia a evolução do modelo alemão em resposta a esses desafios. Um ponto central é verificar como as instituições têm evoluído e destacar em que sentido a Alemanha ainda tem um modelo de capitalismo diferente. Outro ponto é entender os desafios enfrentados em termos de produtividade e competitividade, relacionando-os com as características institucionais, com o contexto externo e com a estratégia internacional do país. O artigo utiliza a abordagem do institucionalismo histórico e dos modelos de capitalismo, paradigmas que exploram as características institucionais dos países e a sua persistência ao longo do tempo. Centrou-se em fontes bibliográficas, em artigos da mídia especializada e em bases de dados que dialogam com os aspectos institucionais da economia alemã. Como principais resultados, encontrou-se que o modelo alemão vem se transformando, mas que importantes traços institucionais têm sido preservados, desempenhando papel essencial para o sucesso da economia alemã. Os resultados indicam que um tipo diferente de capitalismo, mais participativo, é possível, a despeito das transformações na esfera internacional. O artigo destaca também a relevância das práticas participativas e da cooperação dos trabalhadores para os resultados alcançados. São conclusões que iluminam também os desafios que precisam ser enfrentados pela economia alemã.

Abstract
The Federal Republic of Germany consolidated, in the twentieth century, a very specific model of capitalism, marked by a structure of corporate governance centred on the stakeholders, by participative labour relations and by a patient source of capital, fruit of the close relationships developed between the banks and the enterprises. These factors contributed to explain critical features of the model, including the sources of comparative advantage, the pattern of innovation and the low inequality in wages. Nevertheless, the model suffered pressures on the 1970s, results of the changes in international capitalism. The objective of the article is to evaluate the evolution of the German model in response to those challenges. A central issue is to investigate how the institutions have evolved and in which sense Germany still has a specific model of capitalism. Another point is to understand the challenges faced in terms of productivity and competitiviness, relating them to the institutional features, to the international context and to German foreign strategy. The article employs the approachs historical institutionalism and models of capitalism, approachs which explore the institutional characteristics of the countries and their resilience. It utilises bibliographical sources, press artices related to economics and international politics and data source which dialogue with the institutional aspects of the German economy. As the main conclusions, the article argues that the German model has been transformed, but critical institutional features have been preserved, playing an essential role in the success of the economy. The results indicate that a different model of capitalism, more participative and democratic, is still possible, despite the new configurations of capitalism. The article emphasises the role of the participative practices and of the workers’ cooperation for the positive results achieved by the model. The article also illuminates the challenges which have to be faced by the German economy.

Descritores

Palavras-chave

Citação

GUIMARÃES, A. Q. et al. Alemanha: o modelo de capitalismo social e os desafios no limiar do século XXI. Revista de Sociologia e Política, v. 22, n. 51, p. 55-75, set. 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1678-987314225104. Acesso em: 20 jan. 2022.

Relacionado com

Contido em

Licença